A casa onde morreu Marilyn Monroe, no bairro de Brentwood, na Califórnia, acaba de ser colocada à venda por US$ 6,9 milhões. A atriz teria comprado a residência, na época, por orientação de seu terapeuta, mas morou por lá menos de um ano, até morrer de overdose de remédios, no verão de 1962. Muitas teorias e histórias rondam o local. Uma delas diz que teria sido todo monitorado por áudio pelo FBI por conta do romance de Marylin com o dramaturgo Arthur Miller, que era visto pelos Estados Unidos como uma ameaça, por ser considerado "simpatizante do comunismo".

Construída em 1929, a propriedade tem 2.136 metros quadrados, com uma piscina, quatro quartos, três banheiros, sala de estar, escritório, sala de jogos, cozinha, jardim, tetos de madeira, pisos de terracota e grandes janelas.