Prada Group (Foto: Cloudfront)

À medida que empresas do mundo inteiro buscam ações sustentáveis, a indústria da moda está finalmente disposta a criar soluções proativas para reduzir danos ao planeta.

Seguindo esta tendência, o Grupo Prada acaba de assinar um empréstimo de £42,9 milhões com o banco francês Crédit Agricole, com taxas de juros condicionadas ao “cumprimento de metas ambiciosas relacionadas à sustentabilidade”. Esta é a primeira vez que uma marca de luxo obtém um empréstimo com condições relacionadas à sustentabilidade.

Os interesses deste empréstimo de cinco anos devem ser ajustados anualmente com base na capacidade da Prada de cumprir três metas sociais e ambientais específicas que foram predeterminadas e acordadas por ambas as partes.

Essas metas envolvem garantir que um determinado número de suas lojas físicas sejam certificadas em ouro ou platina dentro do sistema de classificação de edifícios verdes pela Leadership in Energy and Environmental Design (LEED).

"Essa transação demonstra que a sustentabilidade é um elemento-chave para o desenvolvimento do Grupo Prada, cada vez mais integrado à nossa estratégia", disse Alessandra Cozzani, diretora financeira da Prada.

A marca tem demonstrado ativamente seu compromisso com responsabilidade social e ambiental desde 2018. A label decidiu não utilizar pele a partir da coleção SS20, lançou o projeto Prada Re-Nylon, que envolve o uso de econyl - um produto infinitamente reciclável - para suas sacolas de nylon, entre outras iniciativas. 

Projeto Prada Re-Nylon (Foto: Cloudfront)