Saiba como montar um espaço aconchegante para seu home office

Terça-feira 17 Março 2020 / Decoração

Home office no quarto projetado pela Dantas & Passos Arquitetura (Foto: Maura Mello)

Com o aumento de casos de Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda a redução do contato social e pede para que os brasileiros evitem aglomerações, reduzindo assim as chances de transmissão do novo vírus. Como método de prevenção, algumas empresas têm liberado os funcionários para cumprir suas tarefas através de home office.

Trabalhar em casa pede muito mais do que disciplina com horário, conscientização dos outros moradores e atenção do colaborador. Para ajudar a preparar um ambiente que garanta funcionalidade e bem-estar, selecionamos alguns arquitetos que nos passaram dicas essenciais para a montagem do seu espaço.

Escritório planejado pelos arquitetos Pati Cillo e Fernando Figoli (Foto: Luis Gomes)

Prepare seu escritório

Para que o trabalho em casa seja bem sucedido, não basta simplesmente arrumar uma mesa, uma cadeira e ligar o computador. “Disponha de um local destinado a esse fim e não estou falando da mesa de jantar. É de extrema importância ter um canto ou, de preferência, um ambiente fechado que funcione como escritório, pois a privacidade e a concentração são fundamentais para fluir perfeitamente”, explica a arquiteta Pati Cillo, do escritório Pati Cillo Arquitetura.

Tenha privacidade

Quando não se tem um ambiente exclusivo para o home office, divisórias podem ser uma boa saída. As peças podem ser soltas tipo biombos ou inteiramente fechadas, como portas de correr embutidas ou vazadas. “Os biombos são mais flexíveis por serem soltas. Já as divisórias inteiras dão mais privacidade e cumprem o papel de uma parede fechada. As vazadas delimitam espaços sem fechar ou esconder totalmente os ambientes integrados”, explica a arquiteta Danielle Dantas, do escritório Dantas & Passos Arquitetura

Acerte sua postura

O planejamento físico para o escritório merece atenção. Mesmo que sejam peças pequenas, precisam ter a ergonomia certa para não prejudicar a postura do usuário. É imprescindível que ele tenha uma mesa confortável, com tampo que varie de 70 a 75 cm de altura, onde poderá ficar sentado com o antebraço apoiado na mesa, e a profundidade adequada é de, no mínimo, 45 cm. “Vale lembrar que os pés devem ficar sempre encostados no chão com as pernas dobradas a 90 graus. Dê preferência às cadeiras com regulagem de altura e encosto, afinal, todo conforto é mais que bem-vindo”, reitera a arquiteta Pati Cillo. 

Varanda abrigou home office projetado pelo Andrade e Mello Arquitetura (Foto: Luis Gomes)

Se organize 

Manter a organização é essencial quando se trabalha de casa. Busque ter uma rotina e trabalhar nos horários em que seu rendimento é melhor. A organização física também é necessária para o trabalho fluir. “Nossa dica é evitar deixar tudo espalhado e procurar organizar em caixas, pastas e gavetas. Para ter a organização necessária para sua melhor produtividade, convém planejar móveis que tenham espaço suficiente para guardar todo seu material de forma organizada. E, se possível, tentar não misturar suas coisas de trabalho com suas coisas pessoais”, recomenda Paula Passos, da Dantas & Passos Arquitetura.

Arrume a fiação do espaço

A fiação também deve ser uma preocupação para manter o home office visualmente organizado. “Na hora de planejar a marcenaria sob medida não se deve esquecer dos fios em geral, de forma que fiquem escondidos e organizados sem ficar à vista ou atrapalhando. Planeje também a quantidade de tomadas necessárias. Não puxe pontos de energia usando dúzias de extensões. A parte elétrica é essencial para o bom funcionamento do home office e deve ser feita de forma segura para evitar riscos de acidentes e incêndios”, lembra a arquiteta Paula Passos.

Escolha a iluminação adequada 

A iluminação é fundamental para o conforto de quem trabalha em casa. O ambiente deve ainda ser claro, com a luminosidade natural filtrada por cortinas ou persianas, e dispor de uma luz focada na mesa de trabalho. O uso de uma luminária de mesa é mais que bem-vindo, deixando o ambiente bem aconchegante. Quando o assunto é temperatura da luz, os arquitetos da Andrade & Mello Arquitetura explicam: "Recomendamos sempre a luz branca morna, em torno de 3000K, pois iluminará o suficiente para manter o aconchego que o ambiente pede", diz Erika Mello.

 

Leia: Arquitetas listam seis erros que fazem o apê parecer menor do que é

Por: REDAÇÃO DELOOX

'A Casa Original' é o tema da CASACOR Minas 2020

Quinta-feira 30 Janeiro 2020 / Decoração

Juliana Grillo e Eduardo Faleiro - Diretores Casacor Minas

Reconhecida como a mais completa mostra de arquitetura e decoração das Américas, a Casacor já iniciou os preparativos para todas as edições ao longo de 2020. O evento reúne anualmente prestigiados arquitetos, designers de interiores e paisagistas. E o tema escolhido para balizar todas as edições de 2020 é: A Casa Original.

A inspiração para a temática veio a partir da reflexão sobre o mundo tecnológico e contemporâneo. Com o avanço da modernidade, a necessidade de estar sempre conectado, em movimento e em constante mudança, veio também a sensação de instabilidade. Seja pelo ímpeto de acompanhar os passos dessa rápida evolução ou pelo sentimento que brota das consequências que ela causa. O fato é que a Casacor vem tratando nos últimos anos sobre uma espécie de conexão direta da casa com os nossos valores e a nossa identidade. Nesse sentido, o tema proposto para esta edição pode ser considerado como uma evolução dos temas adotados nos últimos anos, que foram: “Foco no Essencial”(2017), “A Casa Viva”(2018) e “Planeta Casa”(2019).

Palácio das Mangabeiras (Foto: Barbara Dutra)

E em Minas Gerais não será diferente. Em 2020, a Casacor Minas chega a sua 26ª edição, consolidada como a maior e mais importante mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo do estado. A próxima edição está marcada para ocorrer entre os dias 18 de agosto e 20 de setembro, no Palácio das Mangabeiras. A Casacor Minas foi inclusive responsável por abrir, pela primeira vez, a residência oficial dos governadores para visitação, tornando-o uma verdadeira atração turística durante todo o período da mostra, que totalizou 50 dias. A realização da mostra neste imóvel permitiu que a população tivesse acesso ao seu interior, além de garantir a realização de uma série de benfeitorias na edificação e no entorno, incluindo a instalação de um elevador para facilitar o acesso de pessoas com dificuldades de locomoção, a recuperação de pisos, banheiros, fachadas e o restauro dos Jardins assinados por Burle Marx, projeto executado pela paisagista Nãna Guimarães. O local recebeu e continuará recebendo uma série de benfeitorias e obras de recuperação de sua estrutura como contrapartida por sua utilização, permitindo que ele seja inteiramente recuperado e esteja em perfeitas condições de uso após o período de realização da mostra.

 “É uma honra e uma grande satisfação ocuparmos novamente o Palácio das Mangabeiras para a 26ª edição da Casacor Minas. As maiores empresas do setor aguardam esta oportunidade para apresentar seus lançamentos ao público. Estamos cientes do constante desafio que é organizar uma mostra ainda mais surpreendente e inovadora a cada ano”, destaca a diretora Juliana Grillo.  

Leia: Arquitetas listam seis erros que fazem o apê parecer menor do que é

Por: REDAÇÃO DELOOX

Jader Almeida recebe menção honrosa por criação da poltrona Ella

Segunda-feira 27 Janeiro 2020 / Decoração

Jader Almeida (Foto: Divulgação)

Jader Almeida, designer brasileiro reconhecido internacionalmente e com extensa trajetória, recebeu uma menção honrosa pelo design da poltrona Ella. A 13º edição do International Design Awards (IDA), uma das mais importantes premiações internacionais do segmento, avalia os projetos de designers e arquitetos de todo o mundo.

Lançada em 2019 pelo designer que também é diretor criativo da marca Sollos, a poltrona Ella concorreu na categoria de Home Interior Products - Interior Furniture. A premiação foi criada para celebrar e promover profissionais visionários e descobrir talentos na arquitetura, em desenvolvimento de produtos e design de moda.

Ella recentemente conquistou o prêmio Good Design Award, considerado o mais antigo e reconhecido prêmio mundial de excelência em design no mundo. “Ella é uma combinação elegante de materiais como aço carbono e a madeira maciça. A peça desafia os limites da resistência, os pés são tão esguios que fazem alusão à ideia de levitar”, conta Jader Almeida.

Poltrona Ella (Foto: Divulgação)

 

Leia: 56 Leonard de Nova York é nomeado o melhor edifício da década

Por: REDAÇÃO DELOOX

Arquitetas listam seis erros que fazem o apê parecer menor do que é

Quinta-feira 16 Janeiro 2020 / Decoração

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

Morar em apartamentos pequenos, com metragens que variam de 40 a 60m², é uma realidade para muitos brasileiros que enfrentam o desafio de organizar a vida com pouco espaço.

Escolher móveis ajustados às dimensões do imóvel é umas das principais decisões, pois peças de tamanhos maiores podem comprometer a circulação dentro do apê e atrapalhar a paz de quem lá habita. “Sem o suporte de profissionais especializados, as escolhas dos moradores podem interferir na harmonia da decoração e não oferecer o conforto esperado”, destaca Fernanda Mendonça, do escritório Oliva Arquitetura.

Em conjunto com as sócias Bianca Atalla e Elisa Ju, as profissionais destacam os seis erros mais comuns que fazem os espaços pequenos parecerem ainda menores e as soluções para não errar.

1. Comprar mobiliários mal dimensionados

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

De antemão, comprar móveis por questões estéticas e de conforto é o caminho para o erro. Antes de adquirir um sofá, rack, poltrona ou outras peças para compor a decoração, é fundamental tirar as medidas que colaboram para duas importantes decisões: a escolha do modelo e a definição do local a ser instalado. “Antes de ir às compras, medidas anotadas garantem o encaixe perfeito”, aconselha Bianca Atalla.

Nesta sala, o trio não queria perder nenhum centímetro do ambiente. Com tudo escolhido de acordo com o projeto, o resultado foi uma circulação agradável entre o sofá e o rack.

2. Marcenaria sob medida mal dimensionada

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

Pode soar exagero, mas a marcenaria é um dos pontos altos do projeto. A afirmação é justificada já que colabora para definir o layout, principalmente em um apartamento pequeno. O trio revela que depois de realizar o projeto contam com a parceria de um marceneiro experiente e especializado no trabalho. “Se durante e execução da marcenaria o profissional começar a fazer mudanças sem avaliar o impacto, o resultado será uma marcenaria mal dimensionada e fora do conceito definido, resultando em um ambiente menor do que realmente é”, revela Elisa Ju.

Especializadas na execução de apartamentos pequenos, as sócias do Oliva relatam que sempre conversam com os clientes para entender a rotina de quem viverá sozinho ou da família, de forma a viabilizar as demandas da melhor forma.

Nesse projeto, com apenas 35m², o trio produziu um espaço multiuso: a bancada da cozinha serve de apoio para o preparo das refeições, pode ser usada como balcão e como móvel para a TV.

3. Escassez de iluminação natural

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

A ausência da iluminação natural – decorrente de janelas menores instaladas pelas construtoras – tem se tornado frequente nos imóveis construídos em São Paulo, contribuindo para a sensação de ambientes apertados. “Em casos assim, recorremos às normas do condomínio para verificar possibilidade da troca por um modelo maior. Se permitido, o investimento contribui para a sensação de amplitude e bem-estar dos habitantes”, diz Fernanda.

Na planta original, a varanda apresentava pequenas janelas que não permitiam abundância de luz natural. Após o sinal verde da administração, o cômodo ganhou vida nova com o fechamento de vidro que assegurou privacidade e a proteção ao sol forte e a chuva. “Poderíamos aplicar uma película opaca, mas preferimos aproveitar a iluminação em sua plenitude”, relata Bianca.

4. Exageros na decoração

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

Segundo as arquitetas do Oliva Arquitetura, as pessoas costumam acreditar que deixar espaços com aspecto de "vazio" é uma escolha errada. Todavia, pesar na decoração, além de deixar o ambiente carregado, deixa aquela sensação de ambiente pequeno.

Por isso, a dica é trabalhar o equilíbrio na escolha de quadros e objetos decorativos e a instalação de prateleiras, entre outros pontos. Cantos vazios, que até então seriam desprezados, podem ser a solução, como o caso da parede do projeto desse dormitório, que ganhou uma sapateira e uma gallery wall com fotos tiradas no casamento e na lua de mel dos moradores.

5. Má utilização das paredes

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro

Paredes vazias pedem parcimônia para definir sua estética com a personalidade dos moradores. Nichos e prateleiras trazem praticidade para o dia a dia.

A arquiteta Bianca Atalla conta que nesse projeto o escritório reservou uma parte da parede para explorar o décor. “Fizemos uma composição de caixotes de feira usados como nichos e prateleiras que receberam itens especiais do casal, mesclando o rústico e o clássico”, destaca.

6. Manter os cômodos todos separados

Projeto: Oliva Arquitetura / Foto: Julia Ribeiro               

Por fim, outra dica fundamental: a integração dos ambientes, recurso que colabora para atenuar impressão de lugar pequeno. Eliminar uma parede para conectar dois cômodos depende do espaço disponível.

Para delimitar a ideia original de ambiente, divisórias vazadas são alguns dos recursos empregados em projeto. A marcenaria entra em ação quando a união também pede momentos de privacidade. Com portas retráteis, a sala de TV, conectada ao jantar, passa a ser um lugar reservado com o fechamento das folhas.

 

Leia mais: Vintage e retrô - arquiteta explica a diferença entre os estilos 

 

Por: REDAÇÃO DELOOX

56 Leonard de Nova York é nomeado melhor edifício da década

Quinta-feira 09 Janeiro 2020 / Decoração

Edifício 56 Leonard (Foto: Reprodução/6sqft)

O 56 Leonard, edifício de 60 andares aclamado pela crítica, projetado pelos arquitetos ganhadores de Prêmio Pritzker Herzog & de Meuron e pelo Alexico Group, foi reconhecido por redefinir a silhueta de Nova York. A icônica torre no distrito TriBeCa foi nomeada um dos 10 edifícios mais importantes da Cidade de Nova York na última década pela Curbed New York, uma publicação para o setor imobiliário e projetos urbanos americanos.

Essa distinção solidifica ainda mais o 56 Leonard como um dos marcos globais mais imaginativos e significantes do ponto de vista arquitetônico a adornar a silhueta de Manhattan. A estrutura de 60 andares em cascata, na esquina das ruas Church e Leonard, revela vistas sensacionais da cena urbana, rios, pontes e muito mais.

Edifício 56 Leonard (Foto: Reprodução/56 Leonard Tribeca)

Em uma colaboração sem precedentes entre o artista e o arquiteto, o edifício está integrado com uma escultura de aço inoxidável, na forma de balão, de 40 toneladas, 14,6 metros de comprimento e 5,8 metros de altura, feito sob encomenda, que escora o prédio e é comprimido por ele em sua base, feita pelo artista internacionalmente celebrado e ganhador do Prêmio Turner, Anish Kapoor. A monumental escultura em espelho é o primeiro trabalho artístico permanente de Kapoor na Cidade de Nova York.

O 56 Leonard, que serviu recentemente como cenário para a edição de janeiro de 2020 da revista Vogue com Cardi B, tem uma oferta final de venda de uma cobertura (penthouse). A Penthouse 57, que possui mais de 213 metros de altura, um apartamento de 488 metros quadrados, quatro quartos, 4,5 banheiros e 164 metros quadrados de espaços de estar ao ar livre, está listada por $ 24,5 milhões. O Corcoran Sunshine Marketing Group é o agente exclusivo de marketing e vendas do edifício.

 

Leia mais: Vintage e retrô: arquiteta explica a diferença entre os estilos

Por: REDAÇÃO DELOOX